17 de mai de 2017

Sem apoio financeiro, Observatório de Astronomia cancela oficinas com escolas


(JCNet) Fundado em 2009, o Observatório Didático de Astronomia, vinculado à Unesp de Bauru, torna o tema acessível à população e, consequentemente, atrai até 4 mil visitantes ao ano. Todavia, desde agosto do ano passado, o projeto de extensão cancelou as oficinas junto às escolas, porque o prédio onde está instalado necessita de reforma.

Segundo o professor do Departamento de Física da Unesp e coordenador do Observatório, Rodolfo Langhi, tornou-se arriscado receber grupos de pessoas em um espaço - situado nas imediações do Centro de Meteorologia de Bauru (IPMet) - cuja estrutura está comprometida.

Langhi frisa que as oficinas mostravam aos alunos que é possível construir lunetas de observação do céu, manualmente.

Tanto que quatro dos cinco telescópios pertencentes ao Observatório foram confeccionados, artesanalmente, pelo astrônomo amador Lionel José Andriatto, cujo nome batizou o projeto.

Até agosto de 2016, o Observatório recebia três escolas por semana, demanda considerada alta pelo coordenador da iniciativa.

SEM BOLSAS
Não bastando o cancelamento das oficinas, o Observatório enfrenta outro problema: há dois anos, está sem apoio financeiro.

Diante disso, o trabalho dos monitores precisa ser voluntário. Langhi acrescenta que, inicialmente, o intuito do projeto, idealizado pela também professora de física Rosa Scalvi, era mostrar às pessoas a possibilidade de se construir seus próprios telescópios e lunetas, com materiais simples, como canos de PVC, tinta e lentes de lupa. Agora, o foco da iniciativa está na ideia de tornar a astronomia acessível.

Tanto que, anualmente, transforma alunos da graduação e pós-graduação em monitores, que acabam trabalhando voluntariamente.

Com o propósito de suprir as necessidades internas do Observatório, os voluntá- rios tentam dar um jeito, ao vender produtos relacionados ao tema, principalmente, materiais didáticos, sempre que há observações do céu - promovidas uma vez ao mês.

SEM DINHEIRO
Em nota, a assessoria de comunicação da Unesp se justifica: por passar por uma séria crise econômica e financeira, devido à queda da arrecadação do ICMS no Estado de São Paulo - sua principal fonte de arrecadação - a Unesp, assim como as outras universidades públicas paulistas, tem dificuldades de atender as demandas de mais e melhores serviços nas áreas de ensino, pesquisa e extensão.

Todavia, a universidade alega que busca, continuamente, aperfeiçoar a gestão e está aberta a novas parcerias.

O INTERESSE PELO CÉU
Desde os primórdios da história humana, o universo desperta interesse. Tanto que há registros pré-históricos de astros e estrelas desenhados em rochas. Além disso, o céu já foi alvo do questionamento de filósofos gregos e chineses

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente